curso de fisiologia da voz

Download Curso de Fisiologia Da Voz

Post on 14-Jul-2016

18 views

Category:

Documents

5 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

cifra

TRANSCRIPT

  • 1

    Curso de Fisiologia da voz - Parte 01

    Lisley Viana

    1. Aparelho Fonador

    O aparelho fonador formado por 2 aparelhos e tem a funo de produzir sons - voz

    cantada e voz falada. Nestes quadros, o aparelho fonador est esquematizado de forma

    bastante resumida.

    APARELHO DIGESTIVO

    rgo Funo Biolgica Funo Fonatria

    Lbios Contm os alimentos na boca Articulao de sons bilabiais

    (B,P,M) e labiodentais (F,V)

    Dentes Tritura os alimentos Escoamento do som

    Lngua Joga o alimento para o esfago Participa de todos os sons

    produzidos

    Palato duro (cu

    da boca) Suporte da lngua Projeo da voz

    Faringe Direciona o ar para os pulmes, e os

    alimentos para o esfago Caixa de ressonncia

    APARELHO RESPIRATRIO

    rgo Funo Biolgica Funo Fonatria

    Cavidades Nasais Filtrar, aquecer e umidificar o ar Vibrao e amortizao do som -

    ressonncia nasal

    Faringe Via de passagem do ar Amplia os sons - caixa de

    ressonncia

    Laringe Via de passagem do ar Vibrador - contm as cordas vocais

    Traquia Via de passagem do ar - defesa

    a via area

    Suporte para vibrao das cordas

    vocais

    Pulmes Trocas gasosas e respirao

    vital

    Fole e reservatrio de ar para vibrar

    as cordas vocais

    Musculatura

    respiratria

    Desencadeia o processo

    respiratrio Produo de presso no ar que sai

    O aparelho fonador dividido em 5 partes

    Parte Componentes Funo

    Produtores

    Pulmes, msculos abdominais,

    diafragma, msculos intercostais,

    msculos extensores da coluna

    Produzem a coluna de ar que

    pressiona a laringe, produzindo

    som nas cordas vocais

    Vibrador Laringe Produz som fundamental

  • 2

    Ressonadores Cavidade nasal, faringe, boca Ampliam o som

    Articulador Lbios, lngua, palato mole, palato

    duro, mandbula

    Articulam e do sentido ao som,

    transformando sons em orais e

    nasais

    Sensor /

    Coordenador

    Ouvido - capta, localiza e conduz o

    som; crebro - analisa, registra e

    arquiva o som

    Captam, selecionam e interpretam

    o som

    Curso de Fisiologia da Voz - Parte 02

    Lisley Viana

    2. Como Produzida a Voz Humana

    A produo do som depende, basicamente, de ar e da laringe, onde esto as cordas vocais.

    A laringe composta por trs anis de cartilagem. Dentro destes anis, esto as cordas

    vocais, que so pequenos msculos com grande poder de contrao/extenso. So

    classificadas em verdadeiras e falsas. As verdadeiras (com cerca de 1 cm nos homens e at

    1,5 nas mulheres) esto na parte inferior da laringe e as falsas na parte superior. O som da

    voz normal produzido pelas verdadeiras e o falsete pelas falsas.

  • 3

    Durante a respirao, as cordas vocais permanecem abertas, enquanto que para a

    produo de som elas se fecham, e o ar faz presso, causando uma vibrao que produz o

    som.

    Laringe: Cordas Vocais em movimento (vista transversal)

    Curso de Fisiologia da Voz - Parte 03

    Lisley Viana

    3. Articulao e Clareza do Som

    Cantar um elemento da articulao. As palavras da msica devem ser muito claras e

    objetivas, para causar um processo de ao e reao imediata. Para que isto acontea,

    deve-se levar em conta dois processos:

    Articulao: processo pelo qual os rgos da fala moldam o som vocal em sons

    reconhecveis da fala.

    Interpretao: processo pelo qual se carrega o esprito ou significado da msica

    atravs do modo como se executa.

    O primeiro passo para uma boa interpretao o domnio de uma boa articulao. Tanto no

    canto, quanto na fala (a muitas pessoas), os movimentos articulares devem ser mais

    acentuados do que na conversao usual.

  • 4

    Os elementos na figura acima esto intimamente envolvidos no que se refere articulao e

    clareza do som. Qualquer alterao no funcionamento deles ir interferir no som emitido.

    Lbios

    H pessoas que possuem um problema de excessiva tenso labial, o que impede a boa

    mobilidade e flexibilidade. Por outro lado, existem pessoas que possuem um tnus labial

    baixo, ou seja, flcido.

    A posio ideal para os lbios, aquela que ajuda o rosto a Ter uma expresso agradvel,

    feliz. Deve-se evitar pux-los exageradamente para os cantos ou para frente quando se

    estiver cantando ou falando, pois isto pode modificar a qualidade sonora.

    Para aqueles com problema de tenso ou flacidez labial, existe um procedimento muito

    simples e bastante eficaz, sugerido pelo fisioterapeuta e fonoaudilogo Nolio Duarte.

    Primeiramente, deve-se visualizar a boca e seus pontos-chave:

    Quem tem excessiva tenso, deve relaxar os lbios, apertando com o indicador e o polegar

    nos pontos indicados acima, seguindo a ordem numrica referida. Deve apertar cada ponto

    com firmeza, no entanto, sem exageros, durante 5 a 10 segundos. Pode ser incmodo, mas,

    ao final, os resultados vo valer pena.

    J quem tem lbios flcidos, precisa de tonificao. O procedimento o mesmo, s que ao

    invs de apertar demoradamente, d-se ligeiros apertes (apertando e soltando

    imediatamente) no mesmo sentido numrico do esquema. Estas pessoas tambm podem

    fazer exerccios do "i" ou do "u", torcendo a boca para um lado e para o outro.

  • 5

    De um modo em geral, neste exerccio das vogais, pode-se utilizar o "p" e o "b" para treino

    labial, pois estas consoantes so totalmente dependentes dos lbios.

    Lngua

    A lngua o principal rgo da articulao, pois interfere na formao das vogais e

    consoantes. Em mdia, a lngua trabalha numa velocidade de 370 movimentos por minuto.

    Cerca de 90% dos problemas que envolvem a lngua so de tenso. Isso causa o

    ressecamento da boca pela retrao constante da lngua. Este posicionamento no estimula

    muito a produo de saliva em termos fisiolgicos, e tambm interfere consideravelmente na

    emisso do som, por razes explicadas mais adiante quando falarmos da faringe.

    Existem, tambm, aqueles que precisam tonificar a lngua, sendo caracterizados pelo

    acmulo excessivo de saliva.

    A lngua deve permanecer numa determinada posio, chamada de "posio de repouso",

    ao longo do "assoalho" da boca tocando os dentes inferiores. Veja os seguintesexerccios

    de relaxamento.

    - colocar a lngua um pouco para fora da boca e morder levemente a

    pontinha da lngua

    - pressionar a lngua fortemente contra os dentes fechados por 5 segundos;

    Em seguida, deve-se associar os dois exerccios lentamente. Alguns problemas da

    pronncia do "S" podem ser resolvidos com a colocao da lngua na posio de repouso.

    Maxilar

    A tenso um grande fator limitante da boa atuao dos maxilares. Pode-se perceber a

    tenso existente ao se fechar os dentes e engolir a saliva. Quando se canta de boca

    fechada ocorre isto. Por isso, aparecem dores aps o ensaio ou apresentao, ou mesmo

    aps a fala.

    O maxilar interfere nos msculos da face, modificando o poder de contrao. Portanto,

    deve-se relaxar esses msculos, facilitando a abertura e a flexibilidade da boca e liberando

    os msculos da garganta.

  • 6

    Nunca se deve usar posies foradas, tais como empurrar o maxilar para frente, pux-lo

    para trs ou tranc-lo numa posio. A sonoridade vai depender, em parte, da abertura que

    for dada ao maxilar. Em relao tenso ao maxilar inferior, pode-se realizar alguns

    exerccios, lembrando que devem ter maior cuidado ao realiz-los aqueles com tendncia

    luxao do maxilar.

    1. Lateralizao

    Abrindo a boca e movimentando o maxilar para a direita e para a esquerda.

    2. Abertura total

    Abrindo bem a boca por alguns segundos.

    3. Projeo anterior

    Com a lngua na posio de repouso, projetando-se o maxilar para a frente,

    permanecendo assim por alguns segundos.

    4. Projeo posterior

    Com a ajuda de um dedo, fazendo-se um recuo do maxilar por alguns

    segundos.

    Faringe

    A faringe tem a funo de ampliar o som, e embora no seja essencial para a articulao,

    est intimamente ligada posio assumida pela lngua. Seu melhor desempenho

    depender do comportamento da lngua.

    A ampliao do som ser tanto melhor quanto melhor for o espao que o som puder ocupar

    dentro da boca.

    Como se pode ver neste esquema, a voz ter uma melhor ampliao na posio 1, a qual

    tem o dobro do tamanho da posio 2. Deve-se notar como o hbito to comum da posio

    3 diminui consideravelmente o espao para a ampliao da voz.

    Existem exerccios que facilitam a aquisio do hbito da posio 1:

    - sabe-se que ao se fazer o movimento de engolir, a lngua inicialmente sobe e em seguida,

    sua parte posterior desce. Ento, com o dedo indicador e o polegar em cada extremo do

    maxilar inferior, faz-se o movimento de engolir. Quando a parte posterior da lngua estiver

  • 7

    descendo, mantm-se uma presso para baixo, forando os dedos, sem esquecer que a

    ponta da lngua deve estar no padro de repouso.

    - pode-se escolher um tom mdio, e com as vogais "a", "o", e "u" as pessoas podem cantar

    variando 0 padro de lngua na posio 2 (representado pela vogal em minsculo) e posio

    1 (representada pela vogal em maisculo).

    Palato

    O palato se divide em 2 partes: o palato duro (cu da boca) e o palato mole (vula,

    conhecida como campainha).

    O palato duro est envolvido com a projeo da voz, e o palato mole com a formao de

    sons orais e nasais.

    O som, na verdade, formado por ondas. As o