swami vivekananda luz sobre kriya yoga

of 39 /39
Swami Pramananda ** LUZ SOBRE KRIYA YOGA ** Índice Índice_____________________________________________________________________________________1 Sobre o Autor____________________________________________________________________________4 Dedicatória______________________________________________________________________________5 Invocação________________________________________________________________________________6 Kaushitaki Upanishad__________________________________________________________________6 Introdução_______________________________________________________6 Capítulo I_______________________________________________________7 1_____________________________________________________________________7 2_____________________________________________________________________7 3_____________________________________________________________________8 4_____________________________________________________________________8 5_____________________________________________________________________8 6_____________________________________________________________________9 7_____________________________________________________________________9 Capítulo II______________________________________________________9 1_____________________________________________________________________9 2_____________________________________________________________________9 3____________________________________________________________________10 4____________________________________________________________________10 5____________________________________________________________________10 1

Author: teletubie9999

Post on 23-Jun-2015

325 views

Category:

Documents


9 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

Swami Pramananda

** LUZ SOBRE KRIYA YOGA

**

ndicendice.......................................................................................................................................1 Sobre o Autor...........................................................................................................................4 Dedicatria..............................................................................................................................5 Invocao.................................................................................................................................6 Kaushitaki Upanishad.............................................................................................................6Introduo......................................................................................................................................6 Captulo I........................................................................................................................................61......................................................................................................................................................................6 2......................................................................................................................................................................7 3......................................................................................................................................................................7 4......................................................................................................................................................................7 5......................................................................................................................................................................8 6......................................................................................................................................................................8 7......................................................................................................................................................................8

Captulo II......................................................................................................................................91......................................................................................................................................................................9 2......................................................................................................................................................................9 3......................................................................................................................................................................9 4......................................................................................................................................................................9 5......................................................................................................................................................................9 6...................................................................................................................................................................10 7....................................................................................................................................................................10 8....................................................................................................................................................................10 9....................................................................................................................................................................101

10..................................................................................................................................................................10

Captulo III...................................................................................................................................111....................................................................................................................................................................11 2....................................................................................................................................................................11 3....................................................................................................................................................................11 4....................................................................................................................................................................12 5....................................................................................................................................................................12

Captulo IV...................................................................................................................................121....................................................................................................................................................................12 2/10...............................................................................................................................................................12 11/18.............................................................................................................................................................13 19..................................................................................................................................................................13 20..................................................................................................................................................................13

Mundaka Upanishad.............................................................................................................13Introduo....................................................................................................................................13 Captulo I - Seo 1......................................................................................................................141....................................................................................................................................................................14 2....................................................................................................................................................................14 3....................................................................................................................................................................14 4...................................................................................................................................................................14 5....................................................................................................................................................................14 6....................................................................................................................................................................14 7....................................................................................................................................................................14 8....................................................................................................................................................................15 9....................................................................................................................................................................15

Captulo I Seo 2.....................................................................................................................151....................................................................................................................................................................15 2....................................................................................................................................................................15 3....................................................................................................................................................................15 4....................................................................................................................................................................15 5....................................................................................................................................................................15 6....................................................................................................................................................................16 7....................................................................................................................................................................16 8....................................................................................................................................................................16 9....................................................................................................................................................................16 10..................................................................................................................................................................16 11..................................................................................................................................................................16 12..................................................................................................................................................................16 13..................................................................................................................................................................16

Captulo II - Seo 1....................................................................................................................171....................................................................................................................................................................17 2....................................................................................................................................................................172

3....................................................................................................................................................................17 4....................................................................................................................................................................17 5....................................................................................................................................................................17 6....................................................................................................................................................................17 7....................................................................................................................................................................17 8....................................................................................................................................................................17 9....................................................................................................................................................................17 10..................................................................................................................................................................18

Captulo II - Seo 2....................................................................................................................181....................................................................................................................................................................18 2....................................................................................................................................................................18 3....................................................................................................................................................................18 4....................................................................................................................................................................18 5....................................................................................................................................................................18 6....................................................................................................................................................................18 7....................................................................................................................................................................18 8....................................................................................................................................................................19 9....................................................................................................................................................................19 10..................................................................................................................................................................19 11..................................................................................................................................................................19

Captulo III - Seo 1...................................................................................................................191....................................................................................................................................................................19 2....................................................................................................................................................................19 3....................................................................................................................................................................19 4....................................................................................................................................................................19 5....................................................................................................................................................................20 6....................................................................................................................................................................20 7....................................................................................................................................................................20 8....................................................................................................................................................................20 9....................................................................................................................................................................20 10..................................................................................................................................................................20

Captulo III - Seo 2...................................................................................................................201....................................................................................................................................................................20 2....................................................................................................................................................................20 3....................................................................................................................................................................20 4....................................................................................................................................................................21 5....................................................................................................................................................................21 6....................................................................................................................................................................21 7....................................................................................................................................................................21 8....................................................................................................................................................................21 9....................................................................................................................................................................21 10..................................................................................................................................................................213

11..................................................................................................................................................................21

Taittiiziya Upanisiiad............................................................................................................21Introduo....................................................................................................................................22 Captulo I......................................................................................................................................22 Captulo II....................................................................................................................................24 Captulo III...................................................................................................................................25

Apndice................................................................................................................................27Oito Aspectos do Yoga.................................................................................................................271 - O Yoga do corpo ou Hatha-Yoga..........................................................................................................28 2 - O Yoga da Mente ou Laya-Yoga. .........................................................................................................28 3 - O Yoga Da Palavra Sagrada ou Mantra-Yoga. ....................................................................................28 4 - O Yoga da Conscincia Pura ou Jnana-Yoga. ......................................................................................28 5 -A Yoga do Servir ou Karma-Yoga. .......................................................................................................28 6 - A Yoga Do Amor Ou Bhakti-Yoga. .....................................................................................................28 7 - O Yoga da Sublime Serenidade Ou Raja-Yoga. ..................................................................................29 8 - O Yoga do Eu ou Kriya-Yoga. .............................................................................................................29

Sobre o AutorSwami Premananda, o autor deste livro, natural da ndia. Ele recebeu sua educao acadmica e treinamento religioso em sua terra natal, graduando-se pela Universidade de Calcut, onde formou-se em Filosofia, Lnguas Orientais e Religies comparadas. Foi para os Estados Unidos em 1928. Discpulo de Yogananda Parainhansa foi iniciado, ordenado em 1920 e consagrado SWAMI em 1941 por seu GURU. Como conferencista, esteve em constante atividade em Washington, onde realizou palestras em Universidades, seminrios teolgicos, Lions e Rotary Clubs, grupos de educao cvica, sinagogas e igrejas crists praticamente de todas as denominaes. Foi o nico Swami a receber tal distino de qualquer organizao manica. Swamiji Premananda fundou em 1928 a Self-Revelation Church of Absolute Monism em Washington, DC. Para assegurar a continuidade da filosofia da ADVAITA VEDANTA, Swami Premananda estabeleceu a "Swami Order Of Absolute Monism" nos Estados Unidos, aberta para homens e mulheres, casados ou solteiros. Seu propsito inspirar a vida do ministrio espiritual. Os membros da "Swami Order" identificam-se com a vida e orientao do idealismo da "Swami Order" fundada por Swami Sankarachariya, da ndia, no sculo VIII AD.

Salvao direito de nascimento de cada ser humano LUZ SOBRE KRIYAYOGA KAUSHITAKI UPANISHAD O caminho mstico

4

MUNDAKA UPANISI-IAD O ritual mstico TAITTIRIYA UPANISRAD A revelao mstica

DedicatriaDedico este livro, minha traduo dos trs Upanishad, que trata do caminho, do ritual e da revelao da Kriya Yoga, a Sri Sri Shymacharam Lahiri, que nos tempos modernos, acima de todos os outros, pelo exemplo e por sua vida particular, provou que cada homem, durante sua passagem pela Terra, capaz de alcanar a realizao de DEUS e que no necessrio viver uma vida monstica ou de severa austeridade para obter a revelao do EU supremo. Na pequena cidade de Ghurni, distrito de Ndia, Bengali, ndia, no dia 30 de setembro de 1828, ao alvorecer do dia, nasceu Lahiri. Recebeu boa educao para sua poca e era um lingista perfeito. Seu conhecimento sobre as escrituras era vasto e profundo. So de sua autoria vinte e seis livros sobre filosofia e religio, todos em Bengali. Ele foi um bom atleta, um excelente nadador, e sempre o lder de seus alunos e amigos. Desde a mais tenra infncia era muito introspectivo, contemplativo e extremamente devoto. Aos dezoito anos casou-se com uma bonita moa, ligeiramente mais jovem. Ela foi uma mulher de excepcional piedade, devoo e generosidade. Eles tiveram dois filhos. Lahiri viveu a vida normal de um chefe de famlia. Sustentava a famlia, como empregado pblico no ento governo da ndia. Trabalhou para o governo por 35 anos e aposentou-se aos 57 anos. Foi um liberal, mas sempre um patrono oculto de bolsas de estudos e atividades religiosas. Era polido e muito simples. Aos 33 anos, por orientao divina, Lahiri encontrou e foi iniciado em Kriya Yoga por seu guru, BABAJI, em Ranikhet, nos Himalaias. De acordo com o desejo de seu Guru, Lahiri retornou a Benares, uma populosa cidade, comunidade de cultura espiritual e religiosa, onde viveu o resto de sua vida com sua famlia, amigos e discpulos. Durante este perodo, homens e mulheres de diferentes nacionalidades, de todas as condies sociais, fs e religies, monsticos e chefes de famlia o procuraram para Luz Espiritual e receberam iniciao em Kriya Yoga. Kriya Yoga no somente uma tcnica cientfica de meditao, mas tambm uma profunda filosofia da realizao de DEUS. Lahiri viveu apenas 67 anos. Aconteceu ao por-do-sol, num dia de outono em 26 de setembro de 1895. Neste dia, discpulos e amigos em quantidade acima do normal se reuniram em torno de Lahiri, e ele, com uma sublime serenidade e gentileza piedosa disse a todos que estava se preparando para renunciar a seu corpo mortal. Pediu a todos que a ele se juntassem em meditao. Sentado na postura Ltus, Lahiri logo absorveu-se completamente em profunda contemplao e num curto perodo de tempo entrou em Maliasamadlii, a conscincia elevou-se da alma para a Luz e Perfeio de DEUS, passando por Sahasraram, o mstico Itus de mil ptalas. Fui iniciado em Kriya Yoga por meu guru, Paramahansa Yogananda. Ele foi iniciado por Swami Sri Yukteswar que, por sua vez, recebeu iniciao em Kriya Yoga de Sri Sri Shyrnacharam Lahiri, o mais proeminente discpulo de BABAJI. Lahiri respeitosamente chamado Lahiri Mahashaya. Em reconhecimento sua realizao suprema pela Kriya Yoga ele proclamado um Yogavatar. A singularidade do Yogavatar Lahiri Mahashaya est no fato de que, no mundo religioso, s nele encontramos um exemplo perfeito e autntico de que, enquanto vivendo a vida normal de um chefe de famlia amoroso e prestativo, alcanou o mais alto grau de realizao de DEUS, dentro de sua conscincia pura e iluminada. A luz orientadora da vida do Yogavatar Labiri Mahashaya foi a filosofia e idealismo de seu Guru, Mahavatar BABAM, que, com as seguintes palavras, a transmitiu a seu valoroso discpulo. " DEUS est igualmente presente em tudo. Eu sirvo a DEUS em tudo. Pode voc realizar e praticar esta verdade."

5

InvocaoAUM PURNAM ADAH PURNAM IDAM PURNAT PURNAM UDACYATE PURNASYA PURNAM ADAYA PURNAM EVA AVASISYATE SHANTI SHANTI SHANTI

Aquilo perfeito; isto perfeito Para fora daquela perfeio emana esta perfeio; No oceano da perfeio surgem as ondas de perfeio; No obstante aquela perfeio nunca perdida

PAZ BEM-AVENTURANA PAZ

Kaushitaki UpanishadIntroduo"H algum estado de xtase dentro deste corpo no qual eu possa estabelecer minha conscincia? H algum caminho mstico que conduza a esse lugar?" Esta a busca da alma humana. Desde tempos imemoriais, o homem tem procurado encontrar caminho que leva realizao de DEUS e ele encontrou o caminho para DEUS dentro de si mesmo e chamou de KRIYA YOGA. Literalmente Kriya Yoga uma expresso snscrita de duas palavras, Kriya Yoga. Kriya significa trabalho, Yoga significa unio ou unicidade. Em sua conotao espiritual Kriya Yoga o mtodo objetivo de meditao pelo qual a realizao da unio da alma com DEUS alcanada. o o e

Todas as ordens msticas e todas as grandes religies ensinam a verdade fundamental e a tcnica da Kriya Yoga. Todos os avatares, as encarnaes do ESPRITO SUPREMO, os salvadores, os mensageiros da luz apontaram a Kriya Yoga como o caminho da alma para DEUS, o caminho doeu para o EU. Kriya Yoga o caminho mstico da auto-realizao.

Captulo I 1CHITRA, o filho de Gargeya, desejando obter maio esclarecimento buscou nova iniciao. Escolheu o erudito Arumi para ser seu Guru e enviou mensagem ao mestre solicitando sua presena. Arumi, porm, decidiu envia seu filho Svetaketu, dizendo: "Meu filho, v e instrua Chitra na execuo do ritual ordenado pelas escrituras". Svetaketu, em obedincia ao desejo de seu pai, chegou a casa de Chitra. Depois de ser cortesmente recebido pelo distinto anfitrio, o jovem sbio foi convidado a sentar-se. Logo a seguir Chitra perguntou: "Oh! filho de Gautama Arumi, h algum estado de xtase dentro desse corpo no qual eu possa estabelecer minha conscincia, Pode-me dizer se h algum caminho mstico que conduz a este lugar?" Svetaketu respondeu: "Senhor, eu no sei , resposta a sua pergunta, mas perguntarei a meu pai, o mestre erudito, para instru-lo e gui-lo".

6

Svetaketu voltou a seu pai e depois de narrar sua conversa com Chitra, disse: "Chitra me fez esta pergunta Como poderei responder, reverendo senhor?" Arumi respondeu: "Eu tambm no sei sobre isto. Talvez Chitra saiba. Vamos sua casa e l estudaremos as escrituras buscando conhecimento e iluminao sobre a matria. Iremos juntos". Mas somente Arumi, o erudito mestre, levara "fagots" (feixe de bastes) em suas mos para o fogo sacrifical como um smbolo de pureza, determinao e humildade Aproximando-se de Chitra, disse: "Reverendo senhor venho sua presena como um discpulo buscando iniciao e iluminao. Chitra recebeu-o dizendo: "Oh! Gautama, mesmo sendo profundamente sbio no s vaidoso. Por isso apresentolhe meus respeitosos cumprimentos e o considero com mritos e bem qualificado para obter autoiluminao. Agora venha, deixe-me inici-lo e depois explicarei toda a matria".

2Depois da iniciao, Chitra, mais adiante, instruiu seu discpulo, dizendo: "Quando a conscincia retirada dos sentidos e liberta-se da escravido dos conceitos de autolimitao, ela estabelece-se em Ajna, o olho espiritual. L, no olho espiritual, a refulgncia da lua crescente traz o primeiro vislumbre de BemAventurana do EU. Mas esta realizao de serena alegria interior no sentida durante o aparecimento inicial do brilho escuro acinzentado, como a sombra do quarto minguante. A mais profunda e radiante luz dentro do olho espiritual a porta mstica da revelao de DEUS. Quando a mente permanece firme nesta radiante luz gradualmente absorvida pelo brilho sempre crescente difundindo-se na autoconscincia pura, o que finalmente conduz realizao do EU Absoluto, Brahman. Se, porm, a mente falha em permanecer fixa no olho espiritual, ela retorna aos sentidos, mas continua retendo sua paz e serenidade. Pela virtude da meditao subjetiva e iluminao, a mente adquire maior pacincia, devoo, inspirao, determinao, poder, f, sabedoria, auto-iluminao e outras qualidades elevadas. Na luz do olho espiritual a mente recebe a iluminao do EU. Durante a prtica da meditao subjetiva Kriya, com a conscincia focada no olho espiritual, todos os dez poderes e os cinco princpios elementares de percepo, junto com os de discriminao, cognio e individualidade, desaparecem e conjuntamente produzem a fora de revelao dentro dos seis centros, e assim Prana, a energia-vida, polariza-se entre a fora positiva de Ajra, o olho espiritual, e a fora negativa de Muladhar, o centro coccgeo na base da coluna vertebral. Ao concluir a prtica das 12 Kriyas ou a Jyoti Mudra, a mente torna-se iluminada com a total cognio do ideal da meditao que constituem a realizao do EU Absoluto e a compreenso correta da natureza composta do universo projetado como o EU manifestado. Como conseqncia, necessariamente, a mente esfora-se ascendendo para iluminar Susunina, o caminho central de Prana que leva realizao da bem-aventurada imortalidade em Sahasraram, o mstico Itus de mil ptalas. Pela prtica da Kriya, com devoo e determinao, a mente torna-se absorvida e completamente identificada com os centros prnicos. Em Ajria, a mente obtm a viso direta do EU e da levada para novas revelaes pela luz radiante do olho espiritual.

3Entrando em Susumna, o caminho da revelao de DEUS, a mente ascende em ordem sucessiva desde o coccgeo Muladhar, Agni Loka; o sacro, Sadhisthan, Vayu Loka; o lombar, Manipur, Aditya Loka; o dorsal, Anahata, Varuna Loka; o cervical, Visuddha, Indra Loka; o olho espiritual, Ajra, Prajapati Loka; e finalmente alcana o mstico Itus de mil ptalas, o Sahasraram, Brahma Loka. Em Sahasraram desvelada a imensidade da conscincia-pura onde so realizadas todas as esperanas e aspiraes sublimes. Aqui a corrente da vida junta-se com a imortalidade, todos os poderes florescem dentro da revelao perfeita, a mente criativa descansa em paz sustentada pela vontade e sabedoria iluminada, o eu liberto vislumbra DEUS, O EU. Sahasraram a morada, no homem, do onipresente Senhor do Universo. L, com conscincia radiante, bem-aventurada, sempre expandindo-se, o Eu desperta em si sua inerente divindade e continua a buscar o infinito Brahman. Auto-revelando-se, o EU Csmico torna-se completamente infundido com a glria de Brahman, realiza-se como o absoluto EU, alcana a origem eterna da vida, transcende a morte.

4

7

Quinhentas foras de iluminao divina giram no interior para obter revelao subjetiva. Os 10 poderes de percepo e cognio so i riter-rel acionados e interdepen-dentes. Cada um recebe a assistncia de todos os outros. Desse modo uma centena de foras de iluminao so geradas. Essas por seu turno ajudam a alcanar a auto-ascenso de cada um dos cinco centros desde Muladhar, o coccgeo, aoVisuddha, ocervical. Poreste meio,quinhentas foras de iluminao divina continuam a aumentar a revelao interior. Muladhar fornece autodomnio; Sadhisthan, serenidade; Manipur, a fortaleza; Analiata, devoo; e Visuddha, pureza. Adornado com estes atributos divinos o EU continua a avanar na direo da realizao de Brahman, at que passando atravs de Prajna, a medula, alcana Ajna, o olho espiritual. No olho espiritual profunda felicidade inunda a mente tranqila. Esta felicidade de tranqilidade no deve ser confundida com a bem-aventurana de Brahman, que a transcendental paz da realizao de DEUS. A noo de tempo desaparece e um sentimento de eterna auto-existncia penetra a conscincia quando o EU fica estabelecido em Ajna. Os conceitos de virtude e no-virtude, e todos os outros pensamentos e impresses negativas e de dualidade so transcendidos totalmente e somente as retas qualidades trazem maior revelao da divindade inata quando o Eu permanece absorvido na refulgncia do olho espiritual. Assim como o cocheiro cuidadosamente observa as duas rodas de sua carruagem, do mesmo modo o Eu, iluminado com perfeita equanimidade, constantemente observa todas as condies e efeitos da dualidade. Liberado da servido dos conceitos negativos e finitos, o EU continua a avanar na direo do alcance da realizao de Brahman.

5Autodesenvolvimento conduz realizao de DEUS, Brahman. A bem-aventurana alcanada no estado de identidade divina com o Esprito Supremo. A luz de Brahman revela unio absoluta na iluminao da perfeio transcendental. Poder e sabedoria inspiram e conduzem o EU para entrar na morada Divina. A refulgncia csmica concede iluminao ao Eu na Conscincia infinita -DEUS. Luz indescritvel glorifica o estado de revelao suprema. Imensidade, infinito, onipresena, imanncia universal, ausncia de forma, eternidade, autoconscincia e paz, se difundem na conscincia quando a alma realiza sua unio com DEUS. Isto conscincia pura porque somente na pura-conscincia alcanada a Revelao Suprema. A imortalidade conseguida pela alma. Imortalidade vida eterna. Nela a conscincia de passado e futuro transcendida na realizao do presente eterno. Sabedoria, alegria, felicidade, imensidade, infinito, serenidade. auto-transcendncia, ritmo divino, harmonia csmica, identidade, iluminao, auto-realizao e bem-aventurana, abarcam a primeira revelao quando a alma ascende ao estado de divindade. Finalmente DEUS revela sua perfeio alma, em conseqncia do que, a alma realiza sua prpria perfeio transcendental em absoluta unio com DEUS.

6Eu sou eterno. Todas as criaes temporais existem em minha eternidade. Eu sou infinito. Tudo que vem a ter forma, compreende uma parte de minha realidade universal. Eu sou a alma de tudo. Todas as almas esto unidas em mim. Eu sou o EU transcendental. Eu sou a luz do universo. Eu sou o Esprito Absoluto. Eu sou a realidade eterna. Eu sou a verdade. Todas as coisas que existem no mundo da percepo sensorial e no mundo davibrao-vida, conquan-to distinta dela, so, no obstante, emanaes da verdade. Averdade universal, tudopenetrando. Averdade abrange tudo. 0 universo UM em verdade e realidade. Eu sou a realidade csmica.

7A realizao da unio da alma com DEUS espiritualiza todas as faculdades de percepo e cognio, e atravs delas o ESPRITO todo penetrante sempre percebido em todas as coisas. A potncia csmica percebida atravs da vida-energia; a manifestao csmica atravs do poder da auto-expresso; a unidade csmica atravs do poder de compreenso; a radiao csmica atravs do poder de atrao; a imensidade csmica atravs do poder de viso; a vibrao csmica atravs do poder de recepo; a vida csmica atravs do poder de auto-existncia; a criao csmica atravs do poder de autodesenvolvimento; a dualidade csmica atravs da conscincia objetiva; o amor csmico atravs do poder de autoperfeio; o propsito csmico atravs do poder de autoprogresso; a conscincia csmica atravs do poder da inteligncia. A realizao da unio universal alcanada atravs dos poderes de percepo espiritual espiritualizados. A identidade absoluta com DEUS, seus atributos e perfeio alcanada por aquele cuja conscincia iluminada pela verdade e conhecimento de Brahman.8

Captulo II 1O Sbio Kaushitaki assevera que VIDA Brahman, DEUS. Pureza da mente, espiritualizao de auto-expresso, viso introspectiva e meditao contemplativa levam realizao de DEUS. Todos os poderes de cognio, volio e sentimento trazem a revelao de DEUS para aquele que iluminado pela sabedoria. 0 universo inteiro revela DEUS para o iluminado. Este o segredo de obter a realizao de DEUS. No se apegue a nada do mundo sensorial. Viva no mundo da dualidade sem a ele estar preso. Felicidade, alegria e paz abundam na vida daquele que obteve domnio dos desejos, tranqilidade da mente e realizao do EU. O Sbio Paingya tambm afirma que VIDA DEUS, e mais adiante esclarece dizendo que cultivar a retido essencial para obter viso introspectiva; viso introspectiva pr-requisito para meditao contemplativa; meditao contemplativa purifica a mente; e na pureza da mente e conscincia, DEUS revelado.

2Este o caminho para alcanara iluminao espiritual Fixe sua viso no olho espiritual. Nele visualize uma refulgncia circular, como a lua cheia, brilhante mas suave, no centro desta refulgncia um disco azul-escuro e no corao deste disco uma estrela brilhante. Ento, com a viso fixada e a conscincia estabelecida no olho espiritual, praticar a meditao. Autodomnio, renncia, calma, pureza, humildade, devoo e auto dedicao so essenciais para praticar a meditao. Auto liberao, imortalidade, viso interior, revelao subjetiva, auto-iluminao e pureza de conscincia so os frutos da meditao. A meditao remove o vu de todo o finito dentro de ns, e revela a natureza divina da alma. A serenidade conseguida pela meditao. Na tranqilidade subjetiva a alma realiza sua identidade com DEUS.

3A espiritualizao das faculdades sensitivas conseguida pela purificao da mente e do corao. Na chama da meditao feito o mstico sacrifcio de todos os poderes de auto-expresso e autorevelao. Ento, o eu objetivo, compreendendo os sentidos, a mente e o intelecto, unido com o eu subjetivo de razo pura e amor divino. Com a mente iluminada pela sabedoria e o corao inspirado pela devoo, o devoto pratica o Kriya-Prnico e desse modo alcana a suprema realizao e reside na conscincia de EUS.

4Agora, ser explicada a cincia da meditao subjetiva para alcanar auto-realizao como ensinou o Sbio Pratardana. Os homens sbios de auto-realizao chamam-na o sacrifcio do fogo subjetivo. Nele o Prana ascendente sacrificado no Prana descendente e o Prana descendente sacrificado no Prana ascendente. Este o duplo sacrifcio de purificao e revelao, que executado, com vontade, sabedoria e devoo, faz alcanar a imortalidade e a bem-aventurana. Este o mstico sacrifcio, e os mestres da auto-realizao foram muito cautelosos em conceder este mistrio. Todas as outras formas de sacrifcio so objetivas em essncia e ritualsticas na prtica. O Sbio Sushkabringara afirma que a sagrada palavra AUM contm dentro de si mesma o poder de DEUS. Corri reverncia e humildade pode-se entoar, contemplar e meditar sobre ela. Ela a origem da paz, poder e sabedoria. E a sublime essncia de todas as escrituras verdadeiras. Por sua revelao, alcana-se a bem-aventurana, divindade e perfeio de DEUS. Os sucessivos estgios que nos conduzem realizao do EU so pureza interior, renncia e meditao.

5

9

Agora ser explicada a meditao que o supremo Guru Kaushitaki praticava. O Sbio Kaushitaki foi um mestre de si mesmo e um homem de profunda sabedoria. Ele meditava na luz divina no seu interior em trs distintos centros de iluminao subjetiva dentro da coluna vertebral, nominalmente; Muladhar, ou coccgeo; Anahata, ou dorsal e Ajna, ou olho espiritual. Eles so simbolizados, nos trs estgios da jornada do Guru, como a alvorada, o meio-dia e o crepsculo. Essa meditao precedida pela polarizao das trs principais correntes de Prana, a fora-vida de revelao interior, que flui dentro da coluna vertebral. Pela prtica desta meditao, completa pureza interior alcanada. Prajna a medula oblonga. E misticamente chamada a lua nova brilhando no Oeste. Em Prajna, as trs correntes de Prana dividem-se em quatro, em direo a Ajna, o olho espiritual. Neste ponto o desejo de realizao espiritual cresce de intensidade, buscando a revelao do EU. Meditao com pacincia, atitude positiva da mente, f, devoo e determinao resultam no alcance da revelao divina.

6Ajna, o olho espiritual, simbolizado como a lua cheia do Leste. No olho espiritual revelado um lindo crculo de luz suave como a lua cheia no cu azul. Dentro desta luz de paz alcanada a primeira viso da conscincia csmica, a realidade de DEUS. A sabedoria que dispersa toda a ignorncia, o poder que sobrepuja todas as limitaes, a devoo que transcende todas as negatividades e a espiritual autocognio que remove todas as identificaes sensoriais so percebidas em sua verdadeira e divina potncia. Dentro do esplendor do ESPIRITO todos os conceitos de dualidade so transcendidos, e finalmente a alma torna-se completamente absorvida no amor de DEUS.

7A mente da alma iluminada esclarecida pela verdade espiritual, seu corao transformado pela santidade dos atributos divinos, e seu corpo santificado pela pureza da retido.

8O DEUS eterno manifesta-se em mltiplos fenmenos, tais como fogo, sol, lua, relmpago e vento. Todos os objetos da natureza revelam a realidade de DEUS. Eles so evanescentes. Suas formas exteriores so dissolvidas, mas seus elementos constituintes no so destrudos. Eles simplesmente retornam sua origem divina para novamente de l emanarem. Agora consideremos o Eu individual. DEUS a luz e vida do homem. Todos os seus poderes de percepo, tais como a fala, a viso, o ouvir, assim como os poderes mentais, tm sua origem no DEUS que mora no homem. Prana, a divina fora-vida, a fonte e sustento de todos os poderes de auto-expresso. Todas as faculdades sensitivas, enquanto no esto em ao, repousam em Prana, e de l saem quando engajam-se na atividade de uma ao. Nada pode destruir Prana.

9Agora, ser explicado o reconhecimento da superioridade de Prana sobre todas as faculdades sensitivas. Todas as faculdades sensitivas com o fim de afirmar sua superioridade umas sobre as outras, disputando entre elas, deixam o corpo. Conseqentemente este cai inerte e sem vida como um pedao de madeira. Ento, um por um, a fala, a viso, o ouvir e a mente, retornam e entram no corpo. Mas ele ainda permanece sem movimento ou vitalidade. Finalmente, Prana entrando no corpo, este desperta, Deste modo todas as faculdades sensitivas reconheceram a superioridade de Prana entre todos os poderes. Eles, alm disso, realizam que a vida o poder de conscincia inteligente. Por esta sabedoria eles ascenderam deste mundo e tornaram-se etreos em refulgncia, entrando no cu. Aquele que conhece esta verdade tambm ascende deste mundo e torna-se etreo em refulgncia, entrando no cu de poder e paz. Naturalmente ele torna-se uno com DEUS em onipotncia e bem-aventurana.

10

10

Agora, ser explicada a retirada de todas as faculdades objetivas para Prana, a fora-vida, no momento em que a alma renuncia ao corpo. No momento de renncia final do corpo, a alma imerge na conscincia de DEUS, santifica por inteiro o ser interior com vida divina, luz, amor e paz, e ento atrai todos os poderes de percepo objetiva, tais como fala, respirao, viso, audio, gosto, tato, mente e pensamento, sentimentos e desejos, para Susumna, a corrente central de Prana dentro da coluna vertebral, e finalmente leva-os para a gloriosa refulgncia no olho espiritual, onde eles so completamente transmutados em poderes de revelao espiritual. A alma iluminada deixa o corpo atravs do olho espiritual ou pelo mstico ltus de mil ptalas. Tendo se descartado do corpo, a alma passa para planos mais altos de existncia, onde continua em seus esforos espirituais para obter maior iluminao. Mas depois da renncia do corpo, a alma que tenha alcanado a realizao de sua identidade com DEUS, enquanto no mundo, entra no estado transcendental de divina perfeio - de Conscincia - Existncia - Bem-aventurana, Absolutas.

Captulo III 1Pratardana, filho de Daivodasi, por seu prprio esforo e poder espiritual chegou morada celestial de DEUS. DEUS disse-lhe: - Pratardana, EU desejo lhe conferir uma Ddiva e EU quero que voc a escolha. Pratardana respondeu: Venerando Senhor, qualquer ddiva que possa ser considerada o Supremo bem para o homem, escolha esta para mim. Humildemente, eu rogo. DEUS replicou: - O devoto merecedor deve escolher a ddiva para ele mesmo. Mas Pratardana declinou dizendo: Se eu a escolho, ento no ser uma ddiva SUA. Porm, DEUS no se afastou da exatido de sua promessa, porque DEUS a verdade. DEUS disse: Conhea-me, realize-me. A obteno do verdadeiro conhecimento de MIM por sua prpria realizao, EU considero ser o supremo bem do homem. EU domino o poder do ego sobre o corpo, mente e corao. EU disperso toda ignorncia. Eu sou o destruidor de todas as imperfeies, espirituais, mentais e fsicas. EU sou indestrutvel. Aquele que Me conhece no injuria ningum por suas aes, pensamentos, palavras, emoes ou desejos. Vive em retido e paz.

2EU sou vida. Eu sou a realidade da conscincia. Medite sobre MIM como imortalidade, vida eterna, bem-aventurana. Vida e imortalidade so essencialmente o mesmo. Imortalidade bem-aventurana. Imortalidade d existncia alma. Bem-aventurana realizada na vida eterna. Conscincia, inteligncia pura, revela a verdade. Aquele que medita sobre MIM como a vida eterna e bem-aventurana, vive em paz na terra e alcana bem-aventurana e imortalidade no mundo de divina perfeio e glria. Pratardana perguntou: Alguns dizem que todas as faculdades sensitivas, mente e Prana, a foravida, atuam em unssono. Caso contrrio, no seria possvel uma pessoa falar, ver, ouvir, e pensar com a mente ao mesmo tempo. Portanto todas as faculdades sensitivas, mente e Prana unidas executam cada funo ao mesmo tempo. Por exemplo, quando algum fala, todos os outros poderes sensitivos, mente e Prana unem-se com o poder de falar. Assim, com os outros poderes, viso, audio e pensamen-to. Especialmente durante Prana-Kriya, a prtica da meditao Kriya, todas as faculdades sensitivas e a mente seguem juntas e tornam-se unidas com Prana. DEUS explicou dizendo: Naturalmente isto assim. Contudo, entre as faculdades sensitivas e a mente, Prana, o poder-vida, superior.

3Pode-se viver sem a fala pois conhecemos os mudos. O cego vive sem a viso, o surdo sem ouvir e o infantil sem a coordenao mental. Pode-se viver quando as pernas e braos so cortados. Mas no se pode viver sem Prana, poder-vida. Prana d vida a tudo. A vida sustenta o corpo e eleva a conscincia. Medita em Prana como AUM. Vida conscincia e conscincia vida. Elas so essencialmente um e inseparveis. Elas habitam e retiram-se do corpo juntas ao mesmo tempo.

11

Como ilustrao e prova observamos o seguinte: quando uma pessoa est em sono profundo e no est sonhando, ela retira-se e repousa em Prana. Todas as suas faculdades sensitivas e a mente tambm retiram-se e repousam em Prana. Mas, quando ela acorda e volta sua conscincia objetiva, todas as faculdades sensitivas e poderes mentais voltam s suas respectivas funes como centelhas de uma fogueira em chamas. Igualmente, quando uma pessoa est seriamente doente e jaz inconsciente, todas as suas faculdades sensitivas e a mente retiram-se e repousam em Prana. Mas quando ela se recupera e readquire a conscincia, como fagulhas de uma fogueira em brasa, todas as suas faculdades sensitivas e poderes mentais retomam s suas respectivas funes.

4Mesmo quando uma pessoa deixa seu corpo, ela leva consigo todos os poderes de percepo e concepo. Todos esses poderes foram recolhidos em Prana e na conscincia. Vida conscincia e conscincia vida. Elas habitam e retiram-se do corpo juntas, ao mesmo tempo.

5Agora explicarei o relacionamento entre conscincia, as faculdades sensitivas e a mente. Cada faculdade sensitiva tem um elemento externo correlato, tais como as palavras para o poder de falar, o odor para a respirao, forma para os olhos, som para os ouvidos, paladar para a lngua, criatividade para as mos, locomoo para os ps, prazer e dor para o corpo. Pensamento, emoo e vontade So os elementos correlacionados com a mente.

Mas por causa da permeante presena da conscincia nelas, as faculdades sensitivas e a mente tomam-se cientes de suas percepes e concepes. A conscincia habilita os olhos a ver as formas e as mos a executar seus movimentos. Por causa da conscincia a mente pode sentir e desejar. Sem conscincia ningum pode ficar ciente de qualquer objeto ou experincia. Verdadeiramente, sem conscincia ningum pode pensar um s pensamento ou obter conhecimento do que quer que seja. Deveramos aspirar, conhecer e realizar o verdadeiro EU. Aspirar tambm conhecer o eu interior, aquele que v, ouve, age e pensa. Realizar aquele que v mais do que o objeto da viso, aquele que ouve mais do que o som, e aquele que age mais do que a ao. Mais do que pensar, conhea e realize aquele que pensa. Os objetos de percepo e os poderes de percepo so correlacionados. A existncia de um requer a existncia do outro. Verdadeiramente, sem a conscincia que percebe no pode haver o objeto da percepo, nem existe a conscincia que percebe sem existir o objeto da percepo. Contudo, h uma fundamental unidade em todo o universo. Assim como em uma carruagem a camba est presa aos raios da roda e estes ao cubo, do mesmo modo os objetos de percepo esto relacionados aos poderes de percepo e estes esto fixados em Prana, a divina fora-vida. Na realidade, vida e alma so um. Vida bem-aventurana. eterna e imortal. No est sujeita s limitaes de nascimento e morte. o poder de revelao subjetiva e da manifestao objetiva. E a protetora do Universo. o poder Supremo. a legisladora de tudo. Medite portanto e compreenda: Eu sou a VIDA eterna. Eu sou O EU imortal.

Captulo IV 1Gargya Balaki era famoso por sua cultura e erudi nas santas escrituras. Ele viajava e vivia entre os povos de Usinar, Satvana, Matsya, Kuru, Panchal, Kasi e Videha. Quando em Kasi, procurou o rei Ajatasatru e disse: "Eu desejo lhe expor a verdade sobre Brahman". O rei sentiu-se abenoado e disse: "Por estas suas palavras lhe oferecerei um presente de mil moedas de ouro. 0 povo est ansioso e vido para ir viver em Mithila, o reino de Janaka, o sbio e virtuoso rei. Ele um benfeitor de homens sbios e encoraja o aprendizado e a cultura entre seu povo e o proclamam como seu pai. Poucos, portanto, vm para o meu reino, desde que pensam que eu sou ignorante das verdades e sabedorias divinas".

2/1012

Primeiro Balaki mostrou a Ajatasatru os vrios fe-nmenos csmicos, tais como o sol, a lua, o relmpago, o trovo, o vento, o espao, o fogo e a gua, instruindo-o para compreender a presena permeante de DEUS em todos eles. O rei respondeu que a natureza a manifestao da glria, realidade, verdade, vida, paz, infinitude, poder e beleza de DEUS. Mas o rei buscava sabedoria mais elevada.

11/18O sbio, ento, reportou-se ao corpo e a mente e o instruiu a realizar neles a presena de DEUS, pela forma, faculdades sensitivas, pensamentos, vontade, emoo, conceitos subconscientes e ego. Mas o rei afirmou que isto so apenas vrios meios de percepo e expresso objetivas e que eles simplesmente refletem as qualidades e confirmam a existncia da alma dentro de ns. Ele procurava sabedoria ainda mais elevada. Mas Balaki disse: Isto tudo que eu sei. E permaneceu silencioso.

19Ento o rei disse a Balaki: "Quem o criador do Universo? De quem todas as coisas vm a ser? ELE, somente ELE, ns aspiramos conhecer". Depois disso Balaki preparou-se com oferendas, em suas mos, como sinal de humildade, e, suplicante discpulo, aproximou-se do rei dizendo: Respeitvel Senhor, aceite-me como seu discpulo. O rei respondeu com estas palavras: " contrrio ao costume espiritual que um Kshatriya da casta militar deva receber como seu discpulo um Brahmin, um ministro de DEUS. No obstante, venha comigo e permita-me esclarec-lo". Juntos caminharam e chegaram a uma pessoa que estava deitada em sono profundo. Ajatasatru dirigiu-se pessoa que dormia profundamente dizendo: " TU corporificao da pureza e paz". Mas o homem continuou em seu sono silencioso. Logo aps o rei tocou-o com seu basto e o homem despertou e levantou-se. Voltando-se para Balaki o rei perguntou: "Balaki, onde estava este homem durante seu sono? De onde ele retomou quando foi despertado?" Balaki no sabia e no pde responder. Ento o rei explicou: Dentro do corao h um mstico centro. Nele fluem as correntes de Prana, a fora-vida, mil vezes mais fina que um cabelo. A luz da santidade, pureza, paz, divindade e amor a ilumina. Quando uma pessoa est em sono profundo e imperturbvel pelos conceitos do subconsciente, a alma, em autoconscincia bem-aventurada, descansa no mstico centro do corao, e todas as faculdades sensitivas e poderes de percepo ficam recolhidos na corrente de Prana. Mas quando ele desperta COMO fagulhas espalhadas em todas as direes como um fogo em brasa, vindas da alma, autoconscincia, Prana e todas as faculdades retomam s suas respectivas funes. Prana, a fora-vida, primeiro anima as faculdades sensitivas e os poderes de percepo, os quais em conseqncia contactam e conhecem os objetos do mundo exterior.

20Assim como a navalha guardada em sua caixa e o fogo no seu receptculo, do mesmo modo a alma Cnscia, o EU, reconhecendo seu Corpo como um instrumento de auto-expresso, habita o interior permeando todo o sistema nervoso at a mais longnqua extremidade. Assim como o chefe de um cl protege seu povo, todas as faculdades sensitivas e poderes de percepo e cognio so sustentados e protegidos pela alma. A alma manifesta-se atravs da mente e dos sentidos. A mente e os sentidos so animados e inspirados pela alma. Tanto quanto um ser permanece ignorante sobre a divindade e poder de sua alma, ele subjugado pela impureza e tristeza. Mas quando ele compreende sua alma e alcana a auto-realizao, vencendo todas as impurezas subjetivas, torna-se senhor de seus pensamentos, vontade, emoo e o mestre de todas as suas inatas qualidades divinas. Ele torna-se uma alma iluminada e conseqentemente um homem de auto-realizao.

Mundaka UpanishadIntroduoUm ritual a especfica frmula sagrada pela prtica da qual a alma recebe iluminao e obtm a realiza5o da unio com DEUS. A realizao da perfeio do ESPIRITO SUPREMO o mais elevado bem do homem.

13

O conhecimento e realizao de DEUS de vital importncia em nossa vida diria porque neles assenta-se a fonte de nossa viso mais elevada, nobre inspirao, fora espiritual, coragem moral, altrusmo, devoo e paz interior. Religio no uma especulao abstrata. vida criativa com idealismo espiritual e auto-realizao. Somente quando sabemos nosso verdadeiro ideal, como tambm nossa natureza divina e potencialidades, podemos viver, amar e servir construtivamente com a plenitude de todo nosso ser, corpo, mente, corao e alma. De uma maneira ampla, existem dois tipos de rituais, o objetivo e o subjetivo. O ritual objetivo compreende as vrias formas exteriores e formal idades de culto e adorao. Os rituais subjetivos consistem em mtodos e tcnica de contemplao interior. Os primeiros so bonitos e estimulantes. Os segundos so gloriosos e revelam a alma. Kriya Yoga exclusivamente um ritual subjetivo. Todos os devotos de DEUS, especialmente os mais adiantados e iluminados, precisam regularmente executar o ritual subjetivo porque: "Esta a verdade: Os rituais msticos ocultos nos Mantras Vdicos forarn descobertos pelos sbios e praticados pela polarizao das mltiplas correntes de Prana, a fora-vida, dentro do trino lda-PingalaSusumna. Oh! amantes da verdade, executem estes rituais dentro de vocs pois este o caminho que leva a realizao do mais elevado de todos os bens."

Captulo I - Seo 1 1Brahman, o criador e o protetor do Universo, primeiro revelou-se dentro do corao de Grandes Almas, que eram assim chamadas por serem altamente avanadas na realizao da perfeio divina. Entre as grandes almas vivendo neste plano de existncia, o Rishi, o sbio Atharvan, era o maior de todos. Em sua conscincia-pura estava revelado o ensinamento de Brahman, o fundamento de todo conhecimento.

2O que Atharvan sabia pela auto-revelao de Brah-man, ele ensinou, em poca remota, a Angir. Angir ensi-nou esse mesmo saber a Bharadvaja Satyavaha, e Bharad-vaja Satyavaha ensinou esse mesmo saber de Brahman a Angirash. Deste modo de mestre a discpulo o ensinamento de Brahman foi transmitido.

3O devoto e piedoso chefe de famlia, Saunaka, observando as cerimnias dos discpulos, aproximou-se de Angirash e perguntou: "Reverendo Senhor, qual o real conhecimento que d o entendimento correto de todo universo manifestado?"

4O mestre explicou: Aquele que realizou a unio com Brahman afirma que existem dois tipos de conhecimento, os quais so essenciais ao aprendizado e progresso. Eles so o conhecimento absoluto e o conhecimento relativo.

5Rig-Veda, Yajur-Veda, Sama-Veda, Atharva-Veda, o misticismo dos rituais, a fontica, a gramtica, a definio, a mtrica e a astrologia constituem o conhecimento relativo. Por outro lado, a sabedoria pela qual a Realidade imperecvel realizada o conhecimento absoluto.

6Alm dos limites da viso e do alcance dos sentidos, sem origem e diferenciao, incondicionado pelos rgos da viso, ouvido, tato e locomoo, o eterno permeante, onipresente e o mais sutil de tudo, est a Realidade imperecvel. Assim o sbio compreende a origem de tudo que vem a ser.

714

Como a aranha lana e recolhe a sua teia, como as ervas vm da terra, como o cabelo cresce na cabea de um ser vivo, do mesmo modo tudo que vem a ser, no mundo da dualidade, tem sua origem na Realidade imperecvel.

8Inspirado por seu poder de auto-revelao, Brahman, por sua vontade, deu luz [criou] o universo objetivo. De Brahman emanou a vida. Da vida desenvolveram-se os seres vivos, a mente e todos os elementos bsicos do mundo fenomenal. Todas as aes so vrias expresses da vida e mesmo os efeitos acumulados de todas as aes so preservados pelo poder da vida.

9Em resumo, seres vivos e objetos caracterizados por nome e forma, todos vieram a existiroriundos da onisciente e perfeita Realidade cuja vontade est infundida na consciencia pura.

Captulo I Seo 2 1Isto a verdade: Os rituais msticos escondidos nos Mantras Vdicos foram descobertos pelos sbios e praticados pela polarizao das mltiplas correntes de Prana, fora-vida, dentro do trino Ida-Pingala-Susumna. Amantes da verdade, executem estes rituais em vocs mesmos, pois este o caminho que leva realizao do mais elevado de todos os bens.

2Assim como a chama de Prana ascende na refuloente iluminao com devoo e determinao, executem o mstico ritual entre Muladhar, o centro coccgeo, aonde o transmutante fogo de regenerada fora-vida dissolve a matria consciente, e Ajna, o olho espiritual, onde a chama transbordante da autoiluminao renuncia ao ego, a auto-conscincia do limite dos sensos.

3Este ritual mstico da chama csmica deve ser praticado com autodisciplina, mente serena, discriminao, renncia, pureza de vida, culto das virtudes morais, e, no momento prprio, de acordo com as regras prescritas para alcanar a correta realizao de cada um dos sete estgios de auto-revelao consciente.

4Estas so as sete sucessivas iluminaes da chama csmica de Prana dentro do corpo humano: A chama dinmica regenerativa de cor amarelo-opaca em Muladhara (coccgeo), de cor criativa branco-prateada em Sadhisthan (sacral), de cor laranja harmonizante em Manipura (lombar), de cor vermelha estimulante em Anahata (dorsal), de cor violeta revigorante em Visudha (cervical), de suave radincia dentro do azul-safira envolvida pelo amarelo-rosado em Ajna, o olho espiritual, e o branco revelando bem-aventurana de esplendorosa luminosidade em Sahasraram.

5Quando o Prana surge atravs de Susumna, cada um desses Itus, como centro da fora-vida, expande-se em chama vibrante. Neste fogo sagrado no Altar subjetivo, em ordem de progresso, feito o verdadeiro sacrifcio do apego psico-sensorial, medo, ambio, iluso, orgulho e finalmente o ego. Depois disso o Prana, na conscincia pura iluminada, ascende, atravs de Brahman-Nari, o mstico caminho de DEUS, para o Sahasraram, a morada de EU Supremo.15

6E todos os poderes de revelao, numa sempre crescente inspirao de felicidade e iluminado contentamento leva o sacrificador, o Kriyaban, em ntida autoconscincia atravs do refulgente BrahmanNari, ao estado de absoluta auto-realizao em Sahasraram.

7No curso da ascenso prnica, o Kriyaban sente experincias extasiantes atravs das 10 faculdades sensoriais, todas as quas, contudo, tendo sido confirmadas nas escrituras vdicas serem realizaes inferiores, que, quando desejadas, tornam-se mais tarde um empecilho para alcanar a realizao do EU, o supremo objetivo. Mas aqueles que so erradamente levados a considerar esses poderes como mrito espiritual e os exaltam com palavras eloqentes, tm suas conscincias mais uma vez escravizadas aos sentidos, e perdem a viso e orientao do seu EU espiritual.

8Afundando na ignorncia, ainda que se considerem sbios e letrados, esses seres auto-iludidos muito cedo tornam-se dominados pela escravido dos sentidos e da tristeza mental. Eles vagueiam pelas estradas da vida como um cego conduzido por outro cego.

9Aferroados por esperanas sensoriais esto sempre muito ocupados com o trabalho objetivo, com o auto-conceito, e orgulham-se com o sucesso. Por causa do seu apego ao resultado das realizaes objetivas, suas conscincias no compreendem a realidade de DEUS. Como conseqncia disto, quando o sucesso mundano esgota seus prazeres transitrios, sucumbem em tristeza mental porque negligenciaram em cultivar a alegria interior ou a paz subjetiva.

10Porque no esto iluminados com o conhecimento do mais alto idealismo espiritual, estas pessoas propensas ao mundano consideram que os deveres como homens de famlia est na observncia das formalidades dos rituais religiosos e o mero cumprimento de aes caritativas. Estas retas atitudes, indubitavel mente, trazem resultados meritrios para quem as executa, aqui e no mundo alm, mas os frutos dessas boas aes terminam. Conseqentemente, tendo sido completamente recompensados pelas suas aes benvolas, retornam a este plano terrestre de existncia para lutar novamente pela autoliberao na sabedoria e na paz ou para assegurar maiores realizaes mundanas e prazeres sensoriais.

11Mas aqueles homens de renncia, sbios e serenos, que, tendo alcanado o desapego mental do mundo sensorial, libertam-se do domnio dos sentidos e continuam praticando meditao subjetiva com devoo e determinao, chegam ao estado do EU imortal, a inalterada morada da realidade imperecvel, e como conseqncia suas conscincias passam atravs do olho espiritual, a mstica porta da auto-ilumi nao.

12Discernimento revela a irrealidade do universo fenomenal. Deixe o homem de sabedoria viverem renncia. A imperecvel Realidade no pode ser alcanada pelo fenmeno perecvel. Para obter o conhecimento do absoluto, deixe que o devoto v ao Guru, o respeitado mestre, cuja sabedoria est alicerada na realizao, com uni feixe de varas na mo como demonstrao de pureza, humildade e determinao.

13

16

Logo aps isso, o sbio Guru tem o dever de inici-lo de maneira completa como um devoto da renncia, pureza, determinao e devoo, naquele conhecimento mstico pelo qual a eterna e imperecvel Realidade realizada.

Captulo II - Seo 1 1Isto a verdade: Como centelhas, saltando aos milhares da fogueira, mostrando a qualidade da chama, do mesmo modo, oh! meu amigo, toda a multido de seres das mais variadas formas vm a existir saindo da imperecvel Realidade e voltam a mergulhar na sua indiferenciada unio.

2Transcendental, como quanto todo permeante, sem nascimento e morte, incondicionado pelo desejo relativo, puro, sem forma e refulgente a imperecvel Realidade. ELE o nico DEUS.

3Dele vem a vida; mente e todas as faculdades sensitivas tm origem em seu poder criativo. Espao, ar, luz e gua. Todos tm sua origem NELE, e a prpria terra que sustenta a todos ns a modulao dos elementos que procedem DELE.

4Todo o universo manifestado pode ser considerado como sua forma pessoal. 0 cu sua divina cabea; a criativa terra so seus ps; o sol e a lua so seus dois olhos; as regies do espao constituem seus ouvidos; a revelao dos Vedas sua voz; o ar sua vida-respirao; o universo inteiro seu corao. Verdadeiramente, ELE est habitando o EU de todos.

5O sol que brilha no cu pede emprestado sua luz. As nuvens transformam-se em chuva; as plantas crescem na terra; do amor do homem e da mulher nascem todos os seres humanos; mas toda a criao s possvel graas a ELE.

6A sabedoria do Rig-veda, Soma-veda e Yajur-veda, o iniciado e a iniciao e todos os rituais, sacrifcios e oferendas, as estaes, a terra e todos os mundos alm, tudo vem DELE.

7A multiplicidade de deuses e divindades aos quais oramos devotos; homens, animais, pssaros, suas inalaes e exalaes; arroz, cevada e todos os outros gros; continncia, auto doutrinamento, devoo, determinao, auto-disciplina, verdade e a lei de auto-iluminao; tudo isto tambm tem sua origem na universalidade do imperecvel Brahman.

8Na stima chama de Susumna so feitos os sete sacrifcios com sete oblaes. Quando a conscincia retirada completamente de sua objetividade, dentro dos sete estados de auto-iluminao, o refulgente Prana, a radiante fora-vida, desvela os sete mistrios das sete revelaes. Mas estas sete formas de Prana de auto-revelao tambm vm DELE.

917

Os vastos oceanos, as imponentes montanhas e os murmurantes rios todos vm Dele; as plantas e a energia-vida contida no que d sustentao a este corpo, a morada do EU, tambm vm DELE.

10Auto-ensinamento, meditao, sabedoria e bem-aventurana de auto-realizao, enfim tudo, objetivo e subjetivo, na realidade a manifestao DELE. Oh! meu amigo, aquele que realizou a Realidade imperecvel que est escondida em cada corao, corta todos os laos do falso conhecimento e iluses, mesmo enquanto vivendo neste plano de existncia, aqui na terra.

Captulo II - Seo 2 1Brahman est manifestado em todos os lugares, ainda que alm do entendimento dos sentidos de percepo. ELE o EU que coabita secretamente em cada corao. ELE a morada csmica de tudo que se move, respira e evolui. Ele a eterna substncia como tambm a forma transitria. ELE a suprema REALIDADE, o ideal da aspirao espiritual. ELE transcende o poder cognitivo da mente e intelecto. Oli! amantes da verdade, realizem-nO dentro de suas conscincias -puras.

2Refulgente em auto-iluminao, mais misterioso que o mistrio. Morador de todos os planos de existncia e em todos os seres, o imperecvel Brahman, o EU absoluto. ELE a vida csmica, o amor csmico e a conscincia csmica. ELE a verdade. ELE a imortalidade. ELE o nico ideal de realizao. Oh! meus iluminados amigos, realizem-nO para tornaram-se um com sua perfeio.

3Tomando o poderoso mantra csmico do Upanishad como o arco, coloque nele a flecha mstica afiada pela meditao, e ento, com a conscincia cognitiva absorvida no pensamento de DEUS, Oh! meus iluminados amigos, apontem o arco para atingir o alvo divino.

4AUM, o mantra csmico, o arco, a alma a flecha mstica. Brahman o alvo divino. Com um corao disciplinado pela devoo e renncia, como a flecha disparada diretamente sobre o alvo, deixe o iniciado absorver-se na meditao em Brahman.

5Cu e Terra e outros planos intermedirios de existncia, vida e intelecto, tudo existe em seu ser csmico. S ELE o Um. ELE o EU. Realize o EU na pureza da conscincia. Este o caminho para a imortalidade e bem-aventurana na auto liberao.

6Como os raios no cubo da roda de uma carruagem, todas as correntes da fora-vida convergem para Sahasraram, a morada de Brahman no homem. L, o EU revelado em sua mltipla glria. AUM: Portanto, medite-mos no EU. Que o sucesso o receba nas praias da auto-iluminao.

7

18

O EU onisciente, o coabitante, orientador divino de todos. Toda criao a sua glria manifestada. Sahasraram iluminado pela luz da consciencia-pura, a morada de Brahman, onde reside o EU. ELE a suprema inteligncia, a fonte davida e o sustento do corpo. Residindo no mais profundo do corao, ELE concede vida e inteligncia para cada ser. ELE revelado como bem-aventurana e imortalidade. O sbio realiza-O na iluminao da conscincia-pura transcendental.

8Todas os laos do apego pessoal, tecidos pelo esquecimento total do verdadeiro EU, so cortados, todas as dvidas desaparecem, e o efeito acumulado das aes de identificao sensorial somem quando o EU realizado como a imanente e transcendental realidade.

9Dentro da refulgente luz dourada de Sahasraram revelado 0 UM, o absoluto Brahman. ELE auto luminoso, conscincia-pura- ELE a LUZ das luzes. ELE a suprema realidade conhecida dos homens de auto-realizao.

10L, o sol no nasce, nem a lua, nem as estrelas brilham; l o relmpago no clareia com flamejante radincia: Ento como pode este fogo terrestre de madeira acesa revelar AQUELE que brilha na refulgncia de sua glria absoluta? Tudo brilha pelo reflexo de sua divina iluminao. Na verdade, o universo inteiro iluminado por sua luz.

11Brahman a imortal e bem-aventurada realidade. ELE est antes e depois. ELE est a direita e a esquerda. ELE est em cima e em baixo. ELE est manifestado em todos os lugares. Por fim, o universo inteiro, da origem perfeio, Brahman, o DEUS ABSOLUTO.

Captulo III - Seo 1 1Dois pequenos passarinhos, ligados por uma amizade mtua, viviam na mesma rvore, um deles absorto na satisfao de unia doce fruta, enquanto o outro, indiferente, olha com perfeita serenidade.

2Do mesmo modo, identificado com o corpo, o homem tem cado na desiluso da imperfeio, autocondenao e fraqueza, e, em conseqncia, fica mergulhado na tristeza. Mas quando, pelo poder de sua subjetiva meditao e iluminao, ele compreende a glriado seu prprio EU divino, ultrapassa a tristeza e vive pelo poder da alegria interior.

3Quando o iniciado obtm a viso do auto-revelado supremo EU, a origem csmica da iluminao divina, dentro da luz dourada da conscincia-pura em Sahasraram, ento, transcendendo os conceitos de dualidade, tais como o bem e o mal, pela sabedoria auto-adquirida, ele realiza sua identidade com o absoluto Brahman.

4Brahman, DEUS, o EU que reside em todos ns. Verdadeiramente, ELE a realidade da vida e iluminao. Realizando Brahman, o homem torna-se iluminado. No existe ningum mais sbio do que aquele que tenha compreendido DEUS. Ele executa suas obrigaes dirias como uma manifestao do seu Eu divino, e sua alegria est inspirada pelo amor de DEUS. Naturalmente, ele um verdadeiro Kri yaban. Ele o mais sbio entre todos os sbios.19

5O refulgente, puro e perfeito EU est sempre presente dentro do seu corpo. Na pureza do corao a conscincia cognitiva ganha a direta viso do EU, o DEUS absoluto. Amor verdade, discriminao, conhecimento correto, serenidade, autodisciplina e intuio so os pr-requisitos para alcanar a realizao do Eu SUPREMO.

6S a verdade vence, a falsidade nunca. O caminho para DEUS construdo com fundamento na verdade. Seguindo este caminho, os sbios renunciantes alcanam o estado transcendental da Verdade Absoluta.

7Brahman, DEUS, infinito e auto-revelante, ainda que alm da compreenso da cognio mental. ELE mais sutil do que a sutileza. ELE est manifestado em todos os lugares. ELE est alm do longe, ainda que mais perto do que o ntimo. ELE est escondido dentro deste corpo no mais recndito do corao de cada ser, mas somente o verdadeiro buscador pode encontr-lo.

8Nem pela viso dos olhos, nem pelas palavras da fala, nem pelo poder de qualqueroutra faculdade sensitiva, pode a universalidade do EU supremo ser percebida. Auto-mortificao, cerimnias e rituais no revelam DEUS. Mas quando o corao se torna puro pela Yoga da meditao, o iniciado compreende o Brahman sem forma na imensidade da refulgente conscincia-pura.

9Este EU sutil compreendido dentro deste corpo no Sahasraram, onde as cinco correntes da foravida fundem-se numa luminosidade sem limites. Parece que os coraes dos homens esto quase que completamente tomados pelos pensamentos mundanos. Mas quando o corao torna-se puro, DEUS ento revelado.

10A vontade criativa da mente iluminada invariavelmente produz bons resultados, e a orao do corao reto sempre ouvida e atendida. Portanto, o sbio de auto-realizao deve ser tratado com honra e reverncia por aqueles que desejam o bem da humanidade.

Captulo III - Seo 2 1O homem de auto-iluminao conhece Brahman, DEUS, que a suprema morada de todos e que brilha na glria de sua perfeio absoluta. Os homens sbios de renncia veneram o DEUS absoluto e assim transcendem o reino de nascimento e morte.

2De acordo com a condio de seu prprio desejo, uma pessoa nasce neste plano de existncia onde o anseio do seu corao realizado. Mas mesmo enquanto est vivendo na terra todos os desejos pessoais desaparecem do corao puro de renncia e revelao.

3DEUS, o EU, no pode ser compreendido por veementes discusses, nem por exaustivo estudo das escrituras, muito menos por compreenso intelectual da verdade com relao ao EU. DEUS revela-se somente no corao puro da conscincia iluminada, onde desabrocha a realidade de sua divina perfeio.20

4Sem autodisciplina, devoo e determinao, o E no pode ser compreendido. Igualmente, o conhecimento destitudo de serenidade mental e renncia no pode revelar DEUS. Mas aquele que auto disciplinado, sereno, impessoal e iluminado pelo conhecimento correto, por seu prprio esforo realiza sua unio com Brahman, o DEUS absoluto.

5Realizando a unio com Brahman, os sbios alcanam o conhecimento completo, a iluminao total e a alegria interior. Assim, iluminado, o sbio vive sempre na realizao consciente do onipresente Brahman em tudo e todas as expresses da vida.

6Brahman, DEUS, o assunto tratado nos Upanishads. Aqueles sbios que compreenderam a suprema bem-aventurana de Brahman pela renncia e pureza, depois da grande partida, ganham completa liberao na unio com DEUS.

7Suas correntes de fora-vida dissolvem-se no Prana Csmico, e seus poderes de cognio mergulham na revelao da conscincia-pura onde as almas iluminadas tornam-se unas com o absoluto Brahman.

8Assim como os rios que correm para o oceano, perdendo nome e forma, mergulhando no oceano, do mesmo modo o homem de sabedoria, libertado do nome e forma, torna-se um com o refulgente Brahman, o DEUS de perfeio transcendental.

9Aquele que tenha compreendido Brahman, realmente torna-se Brahman. Naturalmente aquele que compreende DEUS toma-se DEUS. Transcende as causas de auto limitao e tristeza, libertando-se da escravido dos apegos pessoais. Alcana o estado de universalidade e bem-aventurana. Sua vida permanece uma fonte de inspirao e iluminao para aqueles que aspiram a seguir o caminho que leva a DEUS.

10O Kriyaban que amante da sabedoria e devotado a DEUS, que pratica o mstico ritual de meditao subjetiva, oferecendo as correntes de fora-vida como oblaes na chama do Prana Csmico, e aquele que fez o voto de auto-iluminao e renncia, est perfeitamente qualificado para sozinho receber esta mstica iniciao e conhecimento de Brahman.

11O Rishi, o sbio Angirash, declarou esta verdade em poca remota. Aquele que no auto disciplinado e de corao devoto, no deve aventurar-se no estudo e entendimento desta verdade. A todos os antigos Parama-Rishis de cuja vidas e lbios esta sabedoria de DEUS chegou a ns, oferecemos nossas saudaes. Saudaes a todos os Grandes Sbios: Saudaes a Todos.

Taittiiziya Upanisiiad21

IntroduoAuto-realizao o completo e direto conhecimento da transcendental perfeio e natureza csmica do seu prprio EU Espiritual. O propsito primrio da religio nos despertar e orientar para que possamos vir a ter um conhecimento completo do nosso EU divino. No pode existir nenhum outro objetivo alm da auto-realizao, porque no alcance da auto-realizao reconhecemos nossa absoluta condio de origem divina. O mais elevado estado de perfeio espiritual no viver com DEUS, mas tomar-se uno com ELE. A mais sublime mensagem dos Upanishads que o homem em seu mais elevado Eu DEUS. O eu com o qual coabitamos dentro deste corpo-templo apenas um raio de nosso EU absoluto. Ns, em nosso verdadeiro EU, somos infinitos, eternos e universais. Esta a mais abenoada e gloriosa Revelao. mstica porque subjetivamente conseguida pela alma somente dentro da refulgncia de nossa conscincia pura to claramente dita pelo Kriyaban BHRIGU: "Que mstica glria inunda minha conscincia, meu ser, minha alma! Eu sou bem-aventurado. Eu sou o desfrutador de minha bem-aventurana. Eu sou a realidade auto-revelada. Eu sou o ESPRITO autoexistente. Dentro da minha conscincia csmica existe toda criao e todos os seres. Eu sou um com todos. Eu sou a imortalidade. Eu revelo-me na manifestao de minha perfeio. Em minha bemaventurana eu engolfo tudo. Eu sou o ESPRITO transcendental. Eu sou a sabedoria. Eu sou a luz do universo."

Captulo IConhecimento da Verdade. AUM. Oh! DEUS de luz e paz, revelao, poder, verdade e perfeio, conceda-nos TUA Seja benvolo conosco. Adoramos a TI, Oh! Brahman, TU Esprito que tudo penetra. 0 universo TUA manifestao. TUA realidade perceptvel em todos o lugares. Eu revelarei a verdade. Eu verdade. Que DEUS proteja, oriente, d-me fora e inspirao. PAZ! PAZ! PAZ! Que ns abenoados com paz fsica, mental e espiritual. AUM. bno. inteiro falarei a sejamos

AUM. Cantando, assim como na prtica da meditao, deve haver ritmo perfeito, coordenao entre som, acento, entonao, nfase, sentimento e devoo. Que ns dois, mestre e discpulo, obtenhamos a maior glria na iluminao espiritual. Possa a luz de DEUS brilhar dentro de ns. AUM. Agora vamos entender o mistrio dos cinco sucessivos estgios da meditao subjetiva. O primeiro a compreenso de que dentro deste corpo h um sagrado relicrio de luz e vida. O segundo que a mente dotada com os poderes de pensar, vontade correta, devoo e revelao. O terceiro que a verdade revelada dentro da conscincia e que a sabedoria alcanada na conscincia-pura. 0 quarto que Muladliar, o coccgeo, e Ajna, o olho espiritual, so unidos pelas correntes da fora-vida, onde a revelao da alma, o EU, realizada. O quinto que alm (acima) est o Sahasrararn, o mstico ltus das mil ptalas. Em Sahasraram a alma realiza sua unio absoluta com DEUS e a auto-realizao alcanada. Meditao em AUM revela DEUS, o supremo Eu na refulgncia da conscncia csmica. Da auto-realizao emana sabedoria, poder e paz. Possa o DEUS transcendental, que permeia o universo inteiro corri sua onipresena que a fonte eterna da paz e perfeio, fortalecer-me com sabedoria e verdade. 0h1 DEUS de luz, conceda-me o conhecimento de TUA verdade para que eu realize TUA permanente paz. Espiritualize meu corpo com TUA pureza. Faa minha fala totalmente suave e gentil pelo teu amor. Permita-me constantemente ouvir TUA verdade. TU ests num santurio dentro de minha conscincia. Que eu realize TUA perfeio e viva na sabedoria, no servir e em paz. Possam os devotos da verdade seguirem-TE com autodisciplina, serenidade e humildade. Que eu me torne um brilhante exemplo da TUA verdade entre meus semelhantes. Que TUA sabedoria seja meu tesouro. Que eu possa compreender-TE, Oh! DEUS bondade. Revela-TE em mim, Oh! SENHOR do amor! Deixe que TUA divindade aperfeioe meu ser, Oh TUI, o UM perfeito! Como as guas correm para o oceano e o tempo entra na eternidade, assim tambm, toda humanidade caminha em direo a TI. TU s nosso abrigo. Possa TUA luz iluminar nossa vida. Revela-TE em ns. AUM.

22

Bhu Bhuva Suva, este o trino Mantram, a Palavra Sagrada. A isto o sbio Macharnasya acrescenta a quarta, Maha. Este Mantram qudruplo significa Brahman, DEUS; O Atman, o EU, ou a alma; a revelao mstica, ou a cincia da meditao. A criao tem trs aspectos, nominalmente, origem ou em vir-a-ser, existncia ou continuidade como uma unidade auto manifestada, e evoluo ou desenvolvimento para alcanar o ltimo estgio de perfeio. Mas DEUS o centro divino da criao. A criao emana DELE, existo NELE e alcano a perfeio NELE. O homem um ser quadricomposto, compreendendo corpo, mente, corao e alma. Mas na realidade o homem mesmo a alma, o EU. Auto-realizao, ou a revelao da unio da alma com DEUS, alcanada em quatro sucessivos estgios: conhecimento da verdade, devoo, meditao e realizao. Meditao praticada pela ascenso e descida da conscincia atravs da passagem prnica da fora-vida, Ida e Pingala, at ascender por Susumina, o caminho subjetivo da iluminao divina, chegando a Sahasraram, o mstico ltus de mil ptalas onde alcanada a bem-aventurana eterna da Realizao-DEUS. No mais profundo do ser humano est entesourado o consciente, eterno, bem-aventurado e refulgente DEUS. O Sahasrram, o mstico ltus de mil ptalas, ou a glndula pineal, a porta sagrada da conscincia csmica. Pela pr-tica da meditao em Sahasraram, com o qudruplo Mantram, Bhu Bhuva Suva Maha, alcanada a realizao de DEUS ou auto-realizao. DEUS revelado na infinita e total bemaventurana, refulgncia da conscincia-pura. Na realizao de DEUS alcanada a realizao do EU supremo. Um homem de auto-realizao obtm espiritual domnio sobre todos seus poderes de percepo e cognio. No somente isto, mas muito mais, ele torna-se um com DEUS, que infinito, real, bemaventurado, imutvel e imortal. Isto Yoga, o caminho eterno da realizao-DEUS. Existem cinco centros de iluminao subjetiva com suas cores e vibraes correspondentes, dentro do sistema nervoso: Muladhar, coccgeo; Sadhistham, sacro; Manipur, lombar; Anahata, dorsal; Visuddha, cervical. Existem cinco aspectos operativos da fora-vida com suas funes especificas e efeitos, nominalmente Apana, Samana, Pra-na, Udana e Vyana. Pela coordenao da fora-vida e os centros, obtm-se a iluminao subjetiva. AUM Brahman. A palavra DEUS. 0 universo inteiro a manifestao da vibrao csmica de DEUS. AUM o smbolo da criao csmica e do universo. Pelo canto e meditao em AUM alcana-se auto-flumi nao, harmonia interior e paz. Pela meditao em AUM, DEUS realizado. Deixe o buscador procurar obter pela meditao em AUM a palavra sagrada, ele a descobrir. Idealismo Espiritual deve inspirar e guiar todas as aes. Orar regularmente, meditao, estudo das escrituras devem ser parte da vida diria. O cumprimento de aes retas, cultivar a honestidade, renncia, autodisciplina, tranqilidade e equilbrio mental so essenciais para uma vida de amor, servio e felicidade. Autodisciplina estabelece harmonia no sistema nervoso. Conhecimento da verdade ilumina a mente. Meditao e realizao ilumina a alma. O sbio Trisanku alcanou a realizao da unio de sua alma com DEUS, Atman com Brahman, pela meditao na verdade e significado das palavras sagradas deste Mantram: Eu sou o dispersador de todas as minhas iluses. Eu sou o ESPRITO TRANSCENDENTAL. Eu sou puro e santo. Eu sou resplandecente em meu ser divino. Eu sou a realidade eterna. Eu sou Conscincia - Existncia - Bemaventurana Absolutas. Fale a verdade. Pratique a virtude. Busque a sabedoria. Obtenha sabedoria e alcance autodomnio. Deste modo preparado, siga a vida de amor e felicidade. No se desvie da verdade. No vacile no caminho da retido. No negligencie no bem aos outros. No esquea o seu prprio desenvolvimento espiritual. No falhe em praticar diariamente as suas oraes e meditaes. No abandone seus deveres para com as grandes almas e todas as outras almas que passaram para outros planos de existncia. Honre sua me como uma deusa. Honre seu pai como uma divindade. Honre seu preceptor espiritual como um DEUS. Honre seu hspede corno urna divindade. Realize somente boas aes e nunca as ms. Somente aqueles feitos que so de valor eterno e bem universal devero ser aceitos como corretos e espirituais. Honre as grandes almas com reverncia, servio e desejo de sabedoria. Pratique a caridade com amor, sabedoria e humildade, como um dever espiritual e com conscincia da unio das almas. Se a dvida surgir em sua mente a respeito da retido do ato ou conduta, siga o exemplo de um daqueles homens espirituais que so sbios competentes, devotos, educados, gentis, virtuosos e amantes da verdade e de DEUS. Se algum o acusar falsamente siga o exemplo desses homens espirituais.23

Esta a lei da retido. Isto a orientao da verdade. Esta a mstica doutrina. Isto a essncia da filosofia e religio. Temos de praticar isto. Por isto devemos viver nossa vida diria. Saudaes a TI, Oh! Brahman! Saudaes a TI, Oh! DEUS do Universo! Iluminado pela luz de DEUS eu falei a verdade. Eu tenho exposto a verdade em considerao e respeito ao eterno UM. Eu sou abenoado. Eu sou abenoado! AUM! PAZ! PAZ! PAZ!

Captulo IIA Bem-Aventurana de DEUS AUM. Que DEUS nos conceda os poderes de percepo, compreenso e realizao. Que possamos avanar com sabedoria. Que o amor e o entendimento nos una, PAZ!PAZ!PAZ! AUM. Aquele que realizou DEUS obteve o supremo objetivo da vida. DEUS Conscincia Existncia -Bem-aventurana Absolutas. ELE coabita dentro do mais profundo EU e realizado em Sahasraram, o mstico Itus das mil ptalas. Na realizao de DEUS todas as esperanas e aspiraes espirituais so completamente alcanadas. De DEUS, emana todo o universo da criao seguindo os sucessivos estgios: espao, tempo, energia, elementos sutis, elementos grosseiros, vegetao, organismos vi-vos, seres conscientes e finalmente o homem auto consciente. O homem o mais alto de todos os seres em evoluo. Pode-se afirmar que o homem tem cinco corpos ou revestimentos, um dentro do outro. Eles so: O fsico, o Prnico ou eletrnico, o mental, o da sabedoria e o corpo bem-aventurado. Ocorpo fsico a forma exterior compreendendo os rgos fsicos da cabea, a regio do corao, a regio do estmago, as mos e os ps. Tudo o que existe no universo da criao tem sua origem na substncia de DEUS, e sustentado pelo poder de DEUS. Tudo retornar finalmente a DEUS, porque tudo primeiro veio de DEUS. Na realizao de DEUS cessa todas as tristezas. Realmente, aquele que realizou DEUS obtm o sustento espiritual da vida, ou melhor, sabedoria, poder e paz. De DEUS tudo procede vindo a existir, NELE est a existncia e o desenvolvimento de tudo, e em sua perfeio est a liberao de tudo. Dentro do corpo fsico est o corpo prnico. Ele composto da energia-vital ou fora eletrnica. Todo o corpo fsico permeado pela energia-vital. Prana a energia-vital age como fora positiva e negativa, criando uma terceira fora que chamada de fora neutra. A fora neutra preserva o corpo inteiro, coordena as funes do sistema nervoso. Todos os seres, as almas nos planos mais altos de existncia, o homem e outras criaturas da terra, so sustentadas por Prana. Verdadeiramente, Prana a vida de todos os seres. Portanto chamado vida csmica. Pela realizao do Prana, a vida que est dentro de ns obtm a imortalidade. A mesma alma coabita dentro do corpo fsico e dentro do corpo prnico. Dentro do corpo prnico est escondido o corpo mental. 0 poder da mente impregna, anima e guia a energia-vital, a fora eletrnica, dentro de todo o corpo e sistema nervoso. Pelo poder da mente so obtidos o conhecimento e a sabedoria. Mas, a bem-aventurana de DEUS est alm da compreenso da mente e da expresso da fala. Ela realizada na alma. Aquele que vence todos os medos realiza a bemaventurana divina. A mesma alma coabita tanto no corpo mental como dentro do corpo prnico. Dentro do corpo mental est oculto o corpo da sabedoria. A luz da sabedoria ilumina a mente. F, reverncia, devoo, discernimento, amor, a verdade, meditao, revelao e realizao constituem a essncia da sabedoria. Sabedoria a luz orientadora das atividades subjetivas e das aes objetivas. Sabedoria o conhecimento supremo. Todos os devotos oram a DEUS como sabedoria absoluta. Aquele que realiza DEUS como sabedoria e vive na luz da sabedoria, ultrapassa todas as imperfeies, realiza totalmente seus mais nobres desejos e aspiraes e vive em paz e felicidade. A mesma alma coabita dentro do corpo de sabedoria como dentro do corpo mental. Dentro do corpo de sabedoria est entesourado o corpo bem-aventurado. Bem-aventurana a perfeio da sabedoria. Bem-aventurana inseparvel da sabedoria.

24

De conformidade com sua sabedoria uma pessoa encontra a bem-aventurana. Felicidade, alegria e paz so vrios aspectos de bem-aventurana. Bem-aventurana a alma. DEUS a fonte eterna e a substncia da bem-aventurana. Aquele que no tem conhecimento de DEUS permanece ignorante com relao ao seu verdadeiro EU, mas aquele que realizou DEUS conhece o seu verdadeiro EU. A mesma alma coabita tanto dentro do corpo bem-aventurado como dentro do corpo de sabedoria. Depois de deixar este mundo, quem obtm a realizao da bem-aventurana de DEUS, o ignorante ou sbio? S na sabedoria h bem-aventurana aqui e depois daqui. Portanto obtenhamos sabedoria pelo conhecimento da verdade. Deus, o supremo EU, primeiro criou o desejo dentro de si mesmo: EU me tornarei muitos. Manifestar-me-ei em mltiplas formas. Em seguida meditou sobre a lei da criao e trouxe para a manifestao o projeto do inteiro universo e tudo o que dentro dele existe. Tendo criado o universo ELE o permeou com sua divina presena. O sensorial e o supersensorial, o cintico e o potencial , o pesado e o sutil, o inconsciente e o consciente e o corpo e a alma. Todos esto permeados por ELE. ELE a realidade eterna manifestada em tudo que tem vindo a Ser. ELE a imanente alma de tudo. No princpio, a essncia do universo manifestado estava escondida em DEUS. De DEUS tudo emanou. ELE por seu prprio poder manifestou-se na criao csmica, portanto ELE chamado de o UM auto manifestado. ELE a essncia, a eterna substncia de tudo. Pela realizao da essncia divina dentro do prprio ser tornamo-nos bem-aventurados. Por que deveria se empenhar em viver uma vida correta e de meditao se a bem-aventurana divina no estivesse